segunda-feira, 22 de agosto de 2011

À espera de um milagre



Não conseguir começar a tão necessária atividade física ...
Continuar a sair sempre com os homens errados ...
Amar mais aos outros do que a si mesmo ...
Não saber nunca a hora de fechar a boca ...
Nunca conseguir dar limites a seu filho quando chega exausto do trabalho ...
Não saber dizer não ...
Sempre se preocupar mais com os outros do que consigo próprio ...
Sempre ofender e desmerecer seu parceiro apesar de amá-lo ...
Sempre descontar a raiva nas pessoas mais queridas ...
Todo ano dizer que vai começar a yoga, o pilates ... mas nunca começar!
Não conseguir parar de fumar ou beber ...

Repetir padrões que só nos trazem infelicidade e tristeza!

Cada ser humano tem uma coleção de atitudes que ele pratica repetidamente, sem desejar!

Por que isso?
Não seríamos seres racionais e inteligentes?
Grande paradoxo esse!
Por que é tão difícil nos desfazermos de maus hábitos?

Por que,  já munidos do necessário conhecimento para tal, nos boicotamos e continuamos a fazer o que nos faz infelizes?


Li uma frase fantástica dias atrás

Cometer erros não é errado - cometa todos os erros de que for capaz. É desse jeito que você aprenderá mais. Só não cometa o mesmo erro mais de uma vez: isso faz de você um tolo1

Resumindo, somos tolos ambulantes vagando por aí, cheios de culpas e frustrações por não pararmos de cometer sempre os mesmos erros e não conseguirmos mudar nossos padrões de comportamento, tornando-nos assim, cada vez mais infelizes e impotentes!

Descobri um importante motivo pra isso acontecer.
Veja que interessante o que li recentemente:

A elaborada tapeçaria da nossa experiência não é estocada na memória - ao menos não em sua totalidade. Em vez disso, para ser comprimida para estocagem, ela é em primeiro lugar reduzida a alguns fios fundamentais, como uma frase que resume uma sensação (“o jantar foi frustrante”) ou um pequeno conjunto de características-chave (carne mal passada, vinho ruim, garçom ranzinza) 2

É por isso que sempre quando digo que não terei condições de ter outro filho pelos trancos e barrancos que passei com os primeiros 3 anos da maternidade de minha primeira e única filha, muitas amigas e conhecidas dizem "Que nada! Você vai ver: vai esquecer tudo o que passou e vai ter outro".

De fato, esquecemos os detalhes importantes da grande maioria das nossas experiências, como dito acima, principalmente as desagradáveis (nossa mente é uma verdadeira trapaceira!) o que nos torna mais suscetíveis a cometer o mesmo erro de novo!

Mais tarde, quando queremos nos lembrar da nossa experiência, o cérebro rapidamente “retece” a tapeçaria, fabricando - não através de um resgate de fato - o grosso das informações que experimentamos como memória. (...) Assim, quando criamos expectativas sobre eventos futuros, dependemos somente das distorções das nossas experiências passadas, das nossas falhas memórias. (...) Nossos cérebros literalmente mudam nossas lembranças em retrospecto, de modo a encaixar nossas presentes expectativas. (...) Essa enganosa cognição, baseada em errôneas recordações, nos faz perceber a realidade de forma equivocada e tomar decisões que não maximizam nossa felicidade2

Olha só que cérebro traiçoeiro!

Ou seja, mesmo que eu já tenha percebido que não adianta comprar aquele sapato maravilhoso só porque estou  meio deprê porque no fim das contas a deprê volta e eu me arrependo de ter gasto tal dinheiro , eu continuo fazendo isso.

Ou que não adianta tomar leite condensado toda vez que eu estiver  triste (essa é minha estratégia favorita!)  porque eu vou ficar muito feliz , mas apenas por meia hora!  Meu cérebro irá me fazer  focar naquela meia hora e não nos 20kg que eu engordei tomando essa atitude nos últimos 3 anos ...

Sacaram a enrascada na qual nossa mente nos coloca?

Treinar a mente para a concentração é muito difícil: ela se revolta e continua a recair em antigos hábitos. Você a segura novamente e ela escapa1

A psicanálise, porém, vem me ensinando que a melhor maneira de diminuir a repetição de atitudes que nos tornam tão infelizes (e frustrados) é aproveitar para fazer algo diferente e inusitado todas as vezes que a oportunidade aparecer!
Nossa mente vai se acostumando com os padrões (mesmo com os que não nos trazem benefícios, acredite!) e a tendência é que se torne preguiçosa (porque aquele padrão já é conhecido e familiar) nos influenciando a repetí-lo sempre.

Fazer algo diferente do que estamos acostumados dá um trabalhão pra mente!
Mas é isso que nos torna mais felizes ( e jovens!!!)

Veja quantas coisas diferentes e novas uma criança faz todos os dias ... Veja como sua pele é bonita e 
sua mente é livre de culpas ...

Voltemos ao sapato: se normalmente quando estou meio deprê vou ao shopping center e compro alguma coisa (que me fará  feliz por 3 dias, 1 dia ou quem sabe só 2 horinhas mesmo!), da próxima vez que este sentimento aparecer eu tenho que me esforçar para mudar o roteiro: por exemplo ligar para uma amiga e sugerir um cafezinho, dar uma passadinha na casa da sua mãe só pra dar um abraço ... algo inusitado, que você definitivamente não está acostumada a fazer quando aquele sentimento vem à tona e você sente que vai repetir um velho e péssimo padrão!

Se está difícil começar o pilates, há diversas academias e até personal trainers que oferecem uma aula experimental. Quando você dá a si próprio, por exemplo, o direito de fazer aquela aula (mesmo achando que não vai adiantar, é perda de tempo, você de novo, não vai começar o pilates ...), faça diferente. Experimente este algo novo! Você estará treinando sua mente para novas oportunidades ... e isso fará um bem enorme ao seu cérebro que ficará jovial, fresco e feliz com os novos neurônios que adquiriu!

Acreditem .... comecei a experimentar esta técnica recentemente. A primeira vez que mudei o roteiro de um hábito padrão (semana retrasada) a sensação foi indescrítível.
Tente, você vai gostar.

Me senti leve, livre e sem um peso enorme nos ombros.
E muito orgulhosa de mim mesma pois não repeti o velho e mau hábito. Fiz diferente!

E isso fez toda a diferença naquele dia!




Citações:

1 - Faça o seu coração vibrar - Osho - Ed. Sextante
Para saber mais sobre o controverso e polêmico líder espiritual indiano, acesse: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rajneesh

2 - A ciência de ser feliz - Susan Andrews - Ed. Ágora
Saiba mais acessando: 



7 comentários:

  1. Muito bom, Dri! Não sei o que foi que vc não repetiu, mas to orgulhosa de vc também! Se foi o leite condensado, grande vitória!!!!
    O nosso cérebro realmente adora novidades! Mudar o padrão representa mudar conexões neuronais muito sólidas. O negócio é repetir novos padróes comportamentais (saudáveis) até que estes se tornem sólidos, ou seja, vou começar a fazer pilates (falo isso a 10 anos, mas agora acho que vou!) e só vou parar lá pelos 120 anos!

    ResponderExcluir
  2. Não foi o leite condensado ... esse vou precisar de muuuuuuuiiiiittttoooo esforço ...

    ResponderExcluir
  3. O mais importante é assumir. Mudar é opção que requer muita vontade.
    Boa sorte.
    bjs
    Lu
    (não sei mexer com esse "big blog "kkkkkkk)

    Maria Lucia N. Chieffi por e-mail

    ResponderExcluir
  4. Olá Dri,
    Obrigada pelas figurinhas, Dede adorou! Depois da janta ficamos colando....
    Acabei de ler seu ultimo post. Adorei! Bj e boa noite.
    Marisa via I-Phone

    ResponderExcluir
  5. Realmente, mudar hábitos é algo extremamente difícil porque, além daquele vontade louca de fazer aquilo, o comodismo também é um forte inimigo nessas horas!!
    Mas, com certeza, vale a pena o esforço para ser diferente e tornar o "nosso mundo" ainda melhor!

    Bjos Dri!

    ResponderExcluir
  6. Adriana,
    Gostei muito do texto que nos fala fundo.
    E nesta época de início de novo ano como dói rever conceitos enraigados que teimam em não nos deixar avançar, mudar, ser feliz.
    Temos tanto pela frente em vida a ser vivida de forma diferente mas preferimos nos tolir nos caminhos já traçados e em trilha.
    Nossa luta tem que ser diária por dias mais leves e felizes.
    Que possamos assim focar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :) Obrigada por comentar! Foi legal rever este texto ... Um abç

      Excluir

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget