sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

O Silêncio dos Inocentes



Quem me conhece melhor sabe que eu não sou nem um pouquinho fã do nosso povo brasileiro. Não tenho nenhum receio ou vergonha em dizer isso. Apenas pesar!  E a cada dia que passa eu fico mais cansada de  conviver com meu povo. Não sei se porque fui criada por pais europeus e talvez as minhas referências tenham sido outras ou se pela minha personalidade caracterizada pelo meu senso de justiça e de civilidade que sempre foram importantes para mim. O fato é que a cada dia que passa eu fico com menos vontade de conviver com brasileiros.
Acho que a mídia tratou de romantizar a imagem do brasileiro como alguém solidário, sempre pronto a ajudar o próximo, o perfeito cristão! Mas o que vejo nas ruas são pessoas mesquinhas e egoístas que só pensam em ganhar vantagem, tentando ser melhores do que os outros.
O brasileiro se acha muito superior quando consegue furar uma fila, quando não dá passagem no trânsito, quando seu filho chega antes dos amiguinhos na escola porque ele passou o sinal vermelho, costurou no trânsito e estacionou em fila dupla para parar mais próximo do portão da escola.
Que povo é esse que precisa fazer coisas tão medíocres, colocando muitas vezes sua vida e a dos outros em risco, para se sentir bem, superior, melhor? Que povo é esse que é conhecido pelo famoso e tão paparicado “jeitinho brasileiro”,  essa coisa  horrorosa que nosso povo inventou para burlar as regras da nossa sociedade?
Que povo é esse que utiliza vaga de estacionamento de idoso e deficiente sem o ser, que prefere colocar o filho em uma escola ruim para conseguir sobrar dinheiro para comprar um carro do ano, prefere comprar roupas de marca famosa do que pagar um bom plano de saúde para sua família, suja suas ruas e seus rios, transita no acostamento, não devolve o que não lhe pertence, sonega impostos, coloca água oxigenada no leite, engana doentes de câncer com remédios falsificados,  descarta seus idosos como se fossem lixo, gasta milhões com o Carnaval ao invés de investi-los em saúde e educação?
                Estou cansada da falta de educação no trânsito, de ficar esperando as pessoas que estão sempre atrasadas para os compromissos que marcaram comigo, dessa falta de espírito coletivo, da pequenez dessas almas que vivem 24 horas por dia tentando tirar vantagem de tudo e de todos!
                E quanto mais viajo para fora do país mais percebo que preferiria um povo mal humorado (como os franceses), frio (como os ingleses, os alemães) mas que agisse verdadeiramente em favor de seu povo, tendo atitudes diárias de respeito ao coletivo do que este caloroso, alegre e afetuoso povo brasileiro que tenta me passar a perna todos os dias, que parece ler na minha testa: “Sou uma idiota. Me engane!”.
                E ai de mim se quiser cobrar meus direitos! Os órgãos públicos não moverão uma palha para me ajudar e se  eu quiser cobrar meus direitos pessoalmente, sabe-se lá o que pode acontecer a exemplo do que houve aqui em minha cidade, há poucos meses noticiado pela imprensa, com um cidadão cadeirante que foi pedir justificativas para o Sr. Delegado que estacionou o carro na vaga de deficiente da rua (sem o ser) e levou uma coronhada na cabeça!



7 comentários:

  1. É muito triste mesmo ter que conviver com atitudes como essas todos os dias. O "jeitinho brasileiro", a falta de respeito, o querer tirar vantagem de tudo.. Bem que a gentileza e o respeito ao próximo poderiam virar moda! rs

    ResponderExcluir
  2. Legal, concordo e acho que precisamos reforçar o comportamento adequado nos que estão próximos a nós. Quanto ao Carnaval, discordo. "A gente não quer só comida, a gente quer comida diversão e arte"! Arte é fundamental, principalmente a popular! Educação é arte!!

    ResponderExcluir
  3. muito bom ,realmente isso tudo é verdade concordo plenamente com voce ....acho que isso acontece devido ao fato do amor ter se esfriado nos ultimos tempos...logo o ser humano nao tem mais amor ao proximo..embora eu seja muito jovem e tenha muito oque aprender eu ja notei que o ser humano so pensa em ajudar ao outro quando ele quer algo em troca.mais tenho fé de que um dia isso ira mudar mesmo contra a vontade de muitos.

    ResponderExcluir
  4. Isso é reflexo de uma terra que não valoriza a educação. Muito triste mesmo...

    ResponderExcluir
  5. Nem preciso dizer o quanto eu concordo com você...Muitas vezes, me envergonho quando digo que sou brasileira!
    Também estou cansada da falta de educação e do jeitinho brasileiro, que somente visam tirar vantagem dos outros.
    Beijo Grande, Dri! Adorei o texto!!E faço minhas as tuas palavras...

    Fê Abatepaulo

    ResponderExcluir
  6. É realmente uma pena, um país tão cheio de oportunidades e recursos como o Brasil ter gente tão mal educada.
    Estou morando fora e reconheço isso a cada dia. Já sei que vai ser difícil voltar a me acostumar com o Brasil, infelizmente.
    O primeiro choque é o respeito ao coletivo. Fui criado pra pensar nos outros sempre, ser solidário e sempre soube que era uma exceção. Aqui em Londres não, o respeito ao próximo está institucionalizado e não tem ninguém querendo levar vantagem sem mérito.
    Pra mim tudo tem a ver com educação. E berço, porque se aprende na escola e desaprende em casa, não adianta nada!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget